População sem saneamento paga 80% a taxa de esgoto

download (1)Lagoa Grande – Revoltada com a falta constante de abastecimento d’água e a cobrança abusiva da taxa de esgoto, a população Lagoagrandense pede água e a redução da taxa cobrada pela compesa no município.

Inobstante ser declarado pela ONU como direito humano essencial, relacionado intrinsecamente com o direito à vida, saúde e alimentação. A água é distribuída por classe, menos à classe pobre. É o caso dos bairros periféricos de Lagoa Grande que passam dias sem água e mesmo assim, a compesa cobra uma taxa abusiva.

A taxa de esgoto cobrada no município é de 80%. Segundo a cidadã Edneuza Lafaiete a taxa é um absurdo, principalmente, aos bairros mais carentes como Chafariz e Morada Nova que não tem saneamento. Segundo ela: “esses bairros recebem água de dois em dois dias. As duas últimas ruas do bairro Morado Nova recebem água de carro pipa”.

Ela ainda compara Lagoa Grande – cidade em que a maioria das ruas não tem saneamento -, com Petrolina: “Por que Petrolina que tem 80% de suas ruas saneadas cobra 50% de taxa de esgoto, enquanto Lagoa Grande que não tem nem todas as ruas saneadas estão cobrando um absurdo? Segundo outro cidadão, “os moradores pedem urgência no abastecimento d’agua e, secundariamente na diminuição da cobrança, uma vez que não era nem pra se cobrar taxa”.

Embora seja responsabilidade do Estado assegurar esse direito a todos os cidadãos, sobretudo àqueles em situação de vulnerabilidade socioeconômico; o que está acontecendo, segundo Edneuza Lafaiete, é um desrespeito do governo ao povo de Lagoa Grande, “principalmente aos mais carentes”.

Muito embora o problema tenha caráter de urgência, nada foi resolvido até agora.

Por: Anderson Ramos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *